25.1.06

Ensinamento I

O mestre diz: o corpo nunca esquece.

O mestre diz: tu és o teu corpo mas tu não és só o teu corpo. És a memória do teu corpo. És a sua memória e és mais: és o temor infundado do teu corpo e da sua mais que entrevista, da sua adivinhada, falência futura.

3 comentários:

Joana disse...

Obrigada por me dares a conhecer o teu weblog!!

elisabete disse...

Isso talvez nos mostre quão importante é sermos capazes de, a pouco e pouco, nos irmos libertando de nós próprios. E assim crescermos.

heidy disse...

Somos parte da terra e a ela um dai regressaremos. O tomar consciência de que não somos imortais, é chegar ao patamar em que a nossa alma é bem mais importante do que tudo o que seja terreno. Ao tal ponto zen.
Mas para isso, o ser humano "tem de construir"; tem de se entender. Perceber que está a viver um mero instante. Porque a nossa passagem por esta vida, é apenas isso, um pequeno sopro, depois faz-se a transição.

:)
(Adoro este tipo de temas)